Do que estou desistindo?

Absolutamente nada! É difícil desistir da pornografia por causa do medo de estarmos sendo privados de nosso prazer ou de alguma espécie de suporte, de apoio. Temos medo de que certas situações agradáveis ​​nunca mais sejam as mesmas. Medo de não conseguirmos lidar com situações estressantes. Em outras palavras, são os efeitos da lavagem cerebral que estão nos iludindo e fazendo-nos acreditar que o sexo – e por extensão o orgasmo – é uma obrigação para todos os seres humanos. Além disso, é a crença de que precisamos de algo inerente à pornografia na Internet e que, quando pararmos de usar, estaremos negando a nós mesmos e criando um vazio.

Deixe isso claro em sua mente: A pornografia não preenche um vazio, ela cria um!

Nossos corpos são os objetos mais sofisticados do planeta. Quer você acredite em design inteligente, seleção natural ou uma combinação de ambos, nossos corpos são milhares de vezes mais eficazes do que o próprio homem! Não somos capazes de criar a menor célula viva ou os milagres da visão, reprodução e vários sistemas interligados presentes em nossos corpos ou cérebros. Se o criador ou processo evolutivo pretendesse que lidássemos com estímulos supranormais, teríamos recebido diferentes sistemas de recompensa. Nossos corpos são fornecidos com dispositivos de alerta que são à prova de falhas, e nós os ignoramos por nossa conta e risco.

Não há nada para desistir

Depois de remover o pequeno monstro do seu corpo e a lavagem cerebral (o grande monstro) de sua mente, você não vai querer se masturbar com frequência nem usar pornografia na Internet para isso. Existem muitas coisas conhecidas e desconhecidas quando se trata de vício em pornografia, com muitos na comunidade médica não tendo a compreensão necessária para questionar ou determinar se alguém é viciado em pornografia. Muitos dos sintomas relatados estão erroneamente marcados com outras causas. Não é que os usuários geralmente sejam pessoas estúpidas, é apenas que eles se sentem infelizes sem pornografia. Presos entre a cruz e a espada, abstendo-se e sentindo-se miseráveis ​​porque não podem usar pornografia ou ​​porque se sentem culpados desprezando a si mesmos por causa disso. Quando apresentam sintomas como dor lombar ou disfunção sexual, suas mentes ficam divididas entre aceitar a responsabilidade e simplesmente ignorar.

Outra analogia do fumante: todos nós já vimos fumantes que inventam desculpas para escapar para uma tragada irracional e vemos o verdadeiro vício em ação. Os viciados não fazem isso por diversão, em vez disso, porque se sentem infelizes sem isso.

Para muitos, a primeira experiência sexual terminou em orgasmo, então eles adquiriram a crença de que não podem desfrutar do sexo sem um. Para os homens, a pornografia é comercializada como um auxílio ao sexo, às vezes até como uma educação sexual para fomentar confiança durante o ato. Isso é um absurdo. O condicionamento de estímulos supranormais apenas arruína a confiança.

Não só não há nada a se perder, mas ganhos enormes e positivos a serem obtidos. Quando os usuários pensam em parar, eles tendem a se concentrar apenas na saúde e na virilidade. Essas são razões válidas e importantes, mas eu pessoalmente acredito que os maiores ganhos são psicológicos:

  • O retorno de sua confiança e coragem;
  • Liberdade da escravidão;
  • Sem mais desprezo por si mesmo;
  • Sem mais terríveis sombras negras pairando no fundo da sua mente.

Vazio, o vazio, o belo vazio!

Imagine que você tem uma ferida no rosto, e você vai ao farmacêutico e ele lhe dá uma pomada grátis para você experimentar. Você coloca a pomada e a ferida desaparece imediatamente. Uma semana depois ela reaparece, então você volta ao farmacêutico e pergunta se tem mais pomada. Ele responde: “claro. Fique com o tubo, você pode precisar dele mais tarde.”

Você aplica a pomada e pronto, a ferida desaparece mais uma vez. Mas cada vez que ela volta, ela fica maior e mais dolorida, com o intervalo cada vez mais curto. Eventualmente, a ferida cobre todo o seu rosto e é terrivelmente dolorosa, e volta a cada meia hora. Você sabe que a pomada o removerá temporariamente, mas está muito preocupado. A ferida eventualmente se espalhará por todo o seu corpo? O intervalo desaparecerá completamente? Você vai ao médico e ele não consegue curar, então você tenta outras coisas, mas nada ajuda além da pomada.

Agora você está completamente dependente da pomada. Você nunca sai de casa sem ter certeza de que tem um tubo com você. Se você for para o exterior, certifique-se de levar vários tubos nas suas malas. Além das preocupações com a saúde, o farmacêutico cobra cem dólares por tubo. Você não tem escolha a não ser pagar.

Você se depara com um artigo que discute isso e descobre que não está acontecendo apenas com você, mas que muitas pessoas estão sofrendo do mesmo problema. Na verdade, a comunidade médica descobriu que a pomada não cura realmente a ferida e, em vez disso, apenas a esconde sob a superfície da pele. É a pomada que fez a ferida crescer, então tudo que você precisa fazer para se livrar da ferida é parar de usar a pomada e ela desaparecerá no devido tempo.

Você continuaria usando a pomada? Seria preciso força de vontade para não usar a pomada? Se você não acreditou no artigo, pode haver alguns dias de apreensão, mas quando você percebeu que a ferida estava começando a melhorar, a necessidade ou desejo de usar a pomada desapareceria. Você se sentira miserável? Claro que não! Você teve um problema terrível que você pensou ser incurável, mas agora você encontrou a solução. Mesmo que demorasse um ano para a ferida desaparecer, a cada dia que melhorava, você pensava em como se sentiu maravilhoso. Essa é a mágica de parar de usar pornografia.

A ferida não são as dores no corpo, a ausência de luxúria normal, a excitação diminuindo, a ereção inconsistente, o tempo perdido em imagens bidimensionais, sentimentos de violação de direitos e desprezo pelas pessoas que se relacionaram contigo ou, pior ainda, o desprezo por si próprio. Isso tudo apenas acompanha a ferida.

A ferida nos faz fechar nossas mentes para todas essas coisas. Ela é aquela sensação de pânico que vem de querer uma dose. Não-usuários não sofrem desse sentimento. A pior coisa de que sofremos é o medo, o maior ganho jaz em nos livrarmos desse medo. Ele é causado pela sua primeira sessão, e é fortalecido e prolongado por cada sessão subsequente.

Alguns usuários estão “felizes”, tornados cegos por seus “pequenos monstrinhos” astutos, e então passam pelo mesmo pesadelo, apresentando argumentos falsos para tentar justificar sua estupidez.

É tão bom ser livre!