Saúde

Esta é a área onde a lavagem cerebral é maior com os usuários - especialmente os jovens e solteiros - que pensam que estão cientes dos riscos à saúde, mas não estão. Muitos se enganam dizendo que estão preparados para aceitar as consequências. Se o seu roteador de internet tivesse uma função que emitisse um tom de alarme com um aviso quando você acessasse um site pornográfico dizendo – “Ei –até agora você se safou, mas se ficar mais um minuto sua cabeça vai explodir.” Você teria ficado? Se você está em dúvida sobre a resposta, experimente caminhar até um penhasco, parando na beira com os olhos vendados e imagine ter a opção de parar a pornografia ou continuar andando com os olhos vendados.

Não há dúvida de qual seria sua escolha, mas você não vai conseguir nada enterrando a cabeça na areia e esperando acordar um dia tendo perdido o desejo de assistir pornografia. Os usuários não podem se permitir pensar nos riscos para a saúde. Se o fizerem, vai acabar com o gozo ilusório do vício. Isso explica por que os tratamentos de choque são tão ineficazes nos primeiros estágios do abandono do vício, que apenas os não-usuários se obrigam a ler sobre as alterações destrutivas do cérebro.

Considere esta conversa comum com os usuários, geralmente os mais jovens.

Eu: “Por que você quer parar?”

Usuário:Li no blog de um PUA que é bom parar por quatro dias para me animar.

Eu: “Você não está preocupado com os riscos à saúde?”

Usuário:Não, eu poderia ser atropelado por um ônibus amanhã.

Eu: “Mas você deliberadamente pularia na frente de um ônibus?”

Usuário:Claro que não.

Eu: “Você não se preocupa em olhar para a esquerda e para a direita quando atravessa a rua?”

Usuário:Claro que sim.

Exatamente. Eles realizam esforço para não serem atropelados por um ônibus e as chances de que isso aconteça são de um para um milhão. Ainda assim, o usuário arrisca a quase certeza de ser aleijado por seu vício e se faz de completo ignorante. Tal é o poder da lavagem cerebral: a pornografia na Internet é um lobo em pele de cordeiro. Não é estranho que, se soubéssemos que há a possibilidade de haver uma pequena falha em um avião, nós não subiríamos nele – embora os riscos sejam de um para um milhão – mas ainda assim temos mais do que certeza dos males da pornografia e simplesmente escolhemos ignorá-los? O que o usuário ganha com isso? Absolutamente nada!

Outro mito comum é a depressão ou irritação. Muitos jovens não estão preocupados com sua saúde porque não sofrem de depressão ou melancolia. A depressão ou o estresse não é a doença, mas um sintoma. Pessoas mais jovens em geral não sentem a irritabilidade ou depressão criada pela pornografia devido à capacidade natural de seus corpos de produzir mais dopamina. À medida que envelhecem ou enfrentam contratempos sérios, seus recursos já esgotados ficam sobrecarregados e eles apresentam sintomas completos. Quando os usuários mais velhos se sentem estressados, deprimidos ou irritados, é porque os mecanismos estão protegendo os seus sistemas nervosos do fluxo excessivo de dopamina pela poda dos receptores. O usuário também desenvolve outras alterações neurológicas que o mantêm na “rotina”.

Pense da seguinte forma: se você tivesse um bom carro e permitisse que ele enferrujasse sem fazer nada a respeito, isso seria muito estúpido. Rapidamente ele se tornaria um monte de ferrugem imóvel, incapaz de transportá-lo para qualquer lugar. Porém, não seria o fim do mundo, pois é apenas uma questão de dinheiro. Mas seu corpo é o veículo que o carrega pela vida. Todos nós dizemos que nossa saúde é nosso maior bem, pergunte a qualquer milionário doente. A maioria de nós pode olhar para trás e ver uma doença ou acidente em nossas vidas que oramos para melhorar. Por ser um usuário de pornografia, você não está apenas deixando a ferrugem entrar e não fazendo nada a respeito, você está destruindo sistematicamente o único veículo que irá te levar por sua vida inteira.

Seja sábio. Você não precisa fazer isso, lembre-se, a pornografia não está fazendo absolutamente nada de bom por você. Por um momento, tire a cabeça da areia e pergunte a si mesmo: se você soubesse, com certeza, que sua próxima sessão iniciaria um processo que o deixaria totalmente indiferente à pessoa que você ama profundamente, você continuaria usando? Falando para as pessoas que isso acontece, elas certamente não esperavam que fosse acontecer com elas, e o pior não é a doença em si, mas o conhecimento de que foram eles que a causaram. Tente imaginar como as pessoas que abandonaram de vez a pornografia se sentem: para elas a lavagem cerebral acabou. Eles passam o resto de suas vidas pensando: “Por que eu me enganei por tanto tempo que precisava me masturbar vendo pornografia na internet? Se ao menos eu tivesse a chance de voltar!

Pare de se enganar. Você tem essa chance. É uma reação em cadeia: se você se envolver na próxima sessão de pornografia, isso o levará para a próxima e para a próxima. Já está acontecendo com você. O Método Fácil não promete um tratamento de choque, então se você já decidiu que vai parar, então o que estar por vir neste livro não será nada chocante para você. Se ainda não tomou essa decisão, pule o restante deste capítulo e volte a ele depois de ler o resto do livro.

Volumes e mais volumes de pesquisas já foram escritos sobre os danos que a pornografia na Internet causa à nossa vida sexual e bem-estar mental. O problema é que até decidirem parar eles não querem saber. Fóruns e grupos de mentores são uma perda de tempo porque a pornografia põe uma venda nos olhos dos usuários. Se estes fóruns e grupos forem lidos sem cuidado, a primeira coisa que farão é abrir seu site de pornografia favorito. Os usuários de pornografia tendem a pensar na felicidade, no estresse e nos problemas durante o sexo como um caso de tudo ou nada, como pisar em uma mina terrestre.

Coloque na sua cabeça: o processo já está acontecendo. Cada vez que você abre seu site pornô, você está provocando uma inundação de dopamina e opioides para trabalhar. Os “tobogãs” neurais (os referidos “tobogãs” formados por DeltaFosB) são lubrificadas e o passeio leva você suavemente pelas próximas etapas. Seu cérebro já cedeu ao script. O sistema nervoso agora está inundado por dopamina e, como é a enésima vez, os receptores de dopamina se fecham e o pequeno monstro usa essa leve queda de prazer em comparação com a última vez para levá-lo ainda mais além da linha vermelha, para vídeos mais chocantes, para liberar mais dopamina. Mais novidade, mais dopamina e o pequeno manda você continuar. Tantas fotos e vídeos em uma única sessão acionam um estímulo supranormal, injetando mais substâncias químicas no cérebro e levando você a continuar.

O tempo todo, seus receptores estão recebendo informações para desligar em resposta à inundação. O orgasmo apenas aumenta esse efeito e leva à abstinência. Você está em negação, pois o monstrinho anseia por sua dose sem dor ou desconforto real. A ameaça de ter disfunção erétil aterroriza muitos, e é por isso que eles a bloqueiam de sua mente e a obscurecem com o medo de parar. Não é que o medo seja maior, mas desistir hoje é imediato. Por que olhar para o lado negativo? Talvez isso não aconteça, e nesse momento o usuário até lá o usuário pensa que já vai ter parado.

Temos a tendência de pensar na pornografia como um cabo de guerra, de um lado está o medo: “É prejudicial à saúde, sujo e escravizador.” Do outro lado, os aspectos positivos: “É um prazer, um amigo, uma muleta.” Parece que nunca nos ocorre que este lado também é medo; não é que gostemos de pornografia, é que tendemos a ser infelizes sem ela. Os viciados em heroína privados de heroína passam pela miséria, mas imagine a alegria absoluta quando finalmente têm permissão para enfiar uma agulha em sua veia e acabar com aquele desejo terrível. Tente imaginar como alguém pode realmente acreditar que tem prazer em colocar uma seringa hipodérmica em uma veia. Os não viciados em heroína não sofrem esse sentimento de pânico e a heroína não alivia o sentimento, ela o causa.

Os não usuários não se sentem infelizes se não tiverem permissão para usar pornografia – são apenas os usuários que sofrem esse sentimento. A pornografia na Internet não alivia esse sentimento, ela o causa. O medo das consequências negativas não ajuda os usuários a desistir. a sensação é comparável a caminhar em um campo minado: se você escapar impune, ótimo, mas se você não teve sorte, pisou em uma mina e enfrentou as consequências. Se você conhecesse os riscos e estivesse preparado para enfrentá-los, o que isso teria a ver com qualquer outra pessoa? Os viciados nesse estado geralmente desenvolvem as seguintes táticas evasivas:

Você eventualmente ficará velho e perderá sua habilidade sexual de qualquer maneira…

Claro que sim, mas proezas sexuais não é o ponto – estamos falando de escravidão aqui. Mesmo se for esse o caso, essa é uma razão lógica para se cortar deliberadamente? “

Qualidade de vida é mais importante do que apenas viver.

Precisamente! Você está sugerindo que a qualidade de vida de um adicto é maior do que a de quem não é? Você realmente acredita que a qualidade de vida de um usuário é melhor do que a de um não usuário? Uma vida passada cobrindo a cabeça na areia e sendo infeliz não parece ser agradável.

Estou solteiro e não pretendo entrar em um relacionamento no futuro, então por que não?

Mesmo se isso fosse verdade, essa é uma razão lógica para brincar com os mecanismos de controle do impulso neurológico? Você pode imaginar que alguém seja estúpido o suficiente para ficar nu sempre que estiver sozinho, independentemente de ter certeza de que não está esperando ninguém? Isso é o que os usuários de pornografia fazem efetivamente!

Progressivamente saturar nossos circuitos de recompensa com estimulação excessiva e torná-los incapazes de lidar com as tensões normais da vida não ajuda a desfrutar a vida com entusiasmo e vigor. A pornografia e a masturbação substituíram o apetite sexual natural, como uma barra de chocolate substitui a comida de verdade. Nada surpreendentemente, muitos médicos e psicólogos estão agora relacionando vários problemas de saúde mental a causas fisiológicas. A comunidade médica tradicional afirmou que a pornografia nunca foi cientificamente comprovada como a causa direta dos problemas relatados por indivíduos que se confessam, mas admitir uma incapacidade sexual em público é um evento desencadeador tão vergonhoso, então por que alguém faria isso a menos que estivesse realmente preocupado – tendo encontrado a causa e eliminando-a de suas próprias vidas?

O Método Fácil irá ajudá-lo a se livrar da pornografia e se tornar um ex-usuário feliz. Nada de pornografia, nem masturbação auxiliada por pornografia ou orgasmos desnecessários. A única ajuda será o toque, o cheiro e o perfume do seu parceiro. Como o pão integral após um apetite bem desenvolvido, você não vai mais querer comer o açúcar processado que é a pornografia na internet. As evidências são tão avassaladoras que não precisam de provas: quando bato no polegar com um martelo, dói. Não precisa ser provado. O estresse da pornografia na internet tem efeitos sobre outros aspectos da vida dos usuários, predispondo muitos a recorrer a drogas como cigarros e álcool para lidar com a situação, em alguns casos até mesmo levando o anfitrião a considerar o suicídio.

Os usuários também têm a ilusão de que os efeitos nocivos da pornografia são exagerados. O inverso é verdadeiro: não há dúvida de que a pornografia na Internet é a principal causa da disfunção sexual e de muitos outros problemas. Quantos divórcios foram causados ​​pela pornografia? Não há maneiras confiáveis ​​de saber, mas pesquisas de comunidades online sugerem que o número está crescendo exponencialmente.

Há um episódio de Friends em que os caras que estavam recebendo pornografia gratuita contínua na TV, começaram a se perguntar por que a entregadora de pizza não pediu para dar uma olhada no quarto deles. Quando você é viciado, invariavelmente projeta fantasias pornográficas em mulheres reais. Imagine o que uma exposição descuidada ou até acidental à pornografia nos lados mais sombrios da internet pode fazer a alguém que já está em um ponto crítico em sua vida. Lutar contra esses pensamentos induzidos pela pornografia será um grande dreno em sua saúde mental.

Aqui está outro experimento mental: digamos que uma parceira sexual venha até você e diga que não quer necessariamente um orgasmo, mas que quer muito fazer amor, mesmo com penetração. Ela quer fazer isso por tanto tempo e tanto quanto você puder sem um orgasmo – mas se acontecer, então está tudo bem. Garanto-lhe uma nova experiência sexual fenomenal, muito melhor do que qualquer outra, se você receber essa oferta. Tente.

Os efeitos da lavagem cerebral nos levam a pensar como o homem que, estando a cair de um prédio de 100 andares, é citado dizendo enquanto passa zunindo pelo quinquagésimo andar: “até agora, tudo bem!” Pensamos que assim como até agora deu tudo certo, mais uma sessão de pornografia não fará a diferença. Veja de outra forma: o “hábito” é uma cadeia contínua que durara por toda a vida, com cada sessão criando a necessidade da próxima. Quando você inicia o “hábito”, você acende um pavio. O problema é que você não sabe qual é o comprimento do pavio. Cada vez que você cede a uma sessão de pornografia, está um passo mais perto da explosão da bomba. COMO VOCÊ SABERÁ SE NÃO É A PRÓXIMA?

Sombras negras sinistras

Os usuários acham muito difícil acreditar que a pornografia na Internet realmente causa esses sentimentos de insegurança quando você sai para socializar tarde da noite, após um dia estressante em casa ou no trabalho. Os não-usuários não sofrem dessa insegurança, é a pornografia que a causa.

Outra das grandes alegrias de parar de usar pornografia é a liberdade das sinistras sombras negras que elas faz pairar fundo de nossas mentes. Todos os usuários sabem que são tolos por fecharem suas mentes aos efeitos nocivos da pornografia. Na maior parte de nossas vidas é automático, mas essas sombras negras estão sempre à espreita nos nossos subconscientes, logo abaixo da superfície. Vários dos benefícios maravilhosos de largar o vício são conscientes, como o fim dessa perda de tempo e o cessar dessa estupidez absoluta de fazer amor com uma imagem bidimensional.

Os últimos capítulos trataram das vantagens consideráveis de não ser um usuário, mas para fazer justiça é necessário fornecer um relato equilibrado. Portanto, o próximo capítulo lista as vantagens de ser um usuário.