Cuidado Com O Método da Dieta

Muitos usuários recorrem à dieta pornográfica como uma etapa intermediária antes de parar, ou como uma tentativa de controlar o pequeno monstro. Muitos recomendam este método como um estimulo. Usar o método da dieta pornográfica como um trampolim para parar é fatal. São essas tentativas com o método da dieta pornográfica que nos mantêm presos pelo resto de nossas vidas. Geralmente, o método da dieta é seguido por tentativas fracassadas de parar. Após algumas horas ou dias de abstinência, o usuário diz algo como:

Não consigo enfrentar a ideia de dormir sem visitar meu harém online, então de agora em diante usarei pornografia uma vez a cada quatro dias ou eliminarei minha coleção de “pornografia ruim”. Se eu puder seguir essa dieta pornográfica, posso segurar o vício ou reduzir ainda mais.

Certas coisas terríveis acontecem então:

  1. Eles estão presos ao pior de todos os mundos: ainda viciados em pornografia online e mantendo o monstro vivo não apenas em seu corpo, mas em sua mente.
  2. Desejam que a vida passe esperando a próxima sessão.
  3. Antes da dieta, sempre que queriam visitar seu harém, eles acionavam seu navegador e, pelo menos parcialmente, aliviavam suas dores de abstinência. Agora, além do estresse normal da vida, eles estão se fazendo sofrer as dores de abstinência pela maior parte de suas vidas, o que os torna ainda mais miseráveis e mal-humorados.
  4. Embora fossem bem intencionados, eles não aproveitavam a maioria das sessões nem perceberam que estavam usando estímulos supranaturais. Isso foi automático, a única visita ao harém que se desfrutou foi depois de um período de abstinência. Agora que esperam uma hora extra para cada visita ao harém, eles “aproveitam” mais cada uma. Quanto mais tempo esperado, mais “agradável” cada sessão parece se tornar, porque o “prazer” em uma sessão não é a sessão em si – é o fim da agitação causada pela ânsia por pornografia – seja essa agitação um leve desejo físico ou depressão psicológica. Quanto mais longo o sofrimento, mais “agradável” cada sessão se torna.

A principal dificuldade em parar não é o vício neurológico, que é fácil de lidar. Os usuários vão parar sem dificuldade em várias ocasiões – a morte de um ente querido, família ou negócios, etc. Eles vão passar, digamos, dez dias sem acesso e isso não os incomoda. Mas se eles continuassem os mesmos dez dias sabendo que poderiam ter acesso a pornografia, aí eles arrancariam os cabelos.

Muitos usuários terão chances durante seu dia de trabalho e se absterão. Eles passarão pela Victoria’s Secret, piscinas e assim por diante sem inconvenientes indevidos. Muitos se absterão se tiverem que dormir temporariamente no sofá para dar lugar a um visitante, ou se eles próprios estiverem fazendo uma visita. Mesmo em casas noturnas ou praias de nudismo, não haverá tumultos. Os usuários ficam quase satisfeitos quando alguém ou algo diz que não pode consumir pornografia. Na verdade, os usuários que desejam parar têm um prazer secreto em passar longos períodos sem visitas ao harém, o que lhes dá esperança de que talvez um dia nunca mais irão querer isso.

O verdadeiro problema ao parar é a lavagem cerebral, uma ilusão de que a pornografia na Internet é algum tipo de suporte ou recompensa e a vida nunca mais será a mesma sem ela. Longe de te desligar da pornografia na internet, todas as conquistas do método de dietas pornográficas estão te deixando inseguro e miserável e te convencendo de que a coisa mais preciosa na terra é o novo vídeo que você perdeu, que não há como você ser feliz de novo sem ver ele.

Não há nada mais patético do que o usuário que está tentando reduzir o uso. Sofrendo da ilusão de que quanto menos pornografia assistem, menos quererão visitar haréns online, enquanto o inverso é verdadeiro: quanto menos eles assistem a pornografia, mais eles sofrem as dores de abstinência e mais eles “aproveitam” o alívio de aliviá-las. No entanto, eles perceberão que seu gênero favorito não está mais sendo o suficiente. Mas isso não vai impedi-los. Se os sites de pornografia fossem dedicados a apenas uma atriz ou gênero, nenhum usuário iria mais de uma vez.

Difícil de acreditar? Qual é o pior momento de autocontrole que alguém sente? Esperar quatro dias e então chegar ao clímax. Então, qual é o momento mais precioso para a maioria dos usuários em uma dieta pornográfica de quatro dias? Isso mesmo, o mesmo clímax depois de quatro dias de espera! Você realmente acredita que está se masturbando para desfrutar do orgasmo, ou a explicação mais racional é que você precisa aliviar os sintomas de abstinência sob a ilusão de que tem o direito de fazê-lo?

A remoção da lavagem cerebral é essencial para remover as ilusões sobre pornografia antes de extinguir a sessão final. A menos que você tenha removido a ilusão de que gosta disso antes de fechar a janela, não há como ter contato com isso depois sem ser fisgado novamente. Ao passar o mouse sobre os favoritos e as imagens salvas, pergunte-se onde está a glória dessa ação. Talvez você acredite que apenas alguns vídeos são de bom gosto, como aqueles sobre temas habituais ou favoritos. Em caso afirmativo, por que se preocupar em assistir a outros vídeos ou temas? Porque você adquiriu o vício? Por que alguém cultivaria o hábito de bagunçar a si mesmo e ao próprio cérebro, rotineiramente trabalhando para ficar “estragado”? Nada é diferente depois de um mês. Por que seria no caso de um vídeo pornô?

Você pode testar você mesmo. Encontre aquele clipe quente do mês passado para provar que ele é diferente. Em seguida, defina um lembrete e assista ao mesmo clipe depois de um mês sem pornografia. Ele terá (quase) os mesmos efeitos que no último mês. O mesmo clipe será diferente após um evento social em que você foi rejeitado ou testado por um parceiro em potencial. A razão é que o viciado nunca pode ser totalmente feliz se o monstrinho permanecer insatisfeito.

Onde entra a satisfação nisso? É que eles ficam infelizes se não conseguem aliviar os sintomas de abstinência. A diferença entre assistir pornografia ou não é a diferença entre ser feliz e infeliz. É por isso que a pornografia da internet parece ser melhor. Já os usuários que acessam seus sites logo pela manhã para ver pornografia ficam infelizes, quer assistindo ou não.

Diminuir o consumo não só não funciona, mas é a pior forma de tortura. Não funciona porque inicialmente o usuário espera que, cedendo cada vez menos ao vício, ele irá reduzir seu desejo de assistir pornografia. Não é um hábito, é um vício. A natureza de qualquer vício é querer mais e mais, não menos e menos. Portanto, para reduzir, o usuário deve exercer força de vontade e disciplina pelo resto de suas vidas. Portanto, reduzir significa força de vontade e disciplina para sempre. Parar é muito mais fácil e menos doloroso. Há literalmente dezenas de milhares de casos em que a dieta pornográfica falhou.

O problema de parar não é o vício em dopamina, que é fácil de enfrentar. É a crença equivocada de que a pornografia fornece algum prazer, provocada inicialmente pela lavagem cerebral recebida antes de começarmos a usar e reforçada ainda mais pelo vício real. Tudo o que reduzir o consumo faz é reforçar ainda mais a falácia, na medida em que a pornografia domina completamente suas vidas e os convence de que a coisa mais preciosa do mundo é o vício.

O punhado de casos que tiveram sucesso foram alcançados por um período relativamente curto de dieta pornográfica, seguido por um período de corte completo. Esses usuários pararam apesar da dieta pornográfica, não por causa dela. Tudo o que ela fez foi prolongar a agonia, as tentativas fracassadas, deixando os usuários em ruínas e ainda mais convencidos de que estão presos nessas pelo resto da vida. Isso geralmente é o suficiente para mantê-los voltando ao harém online por prazer e por muletas, ou outra sessão de alongamento antes da próxima tentativa.

No entanto, reduzir ajuda a ilustrar a futilidade da pornografia, ilustrando claramente que as visitas ao harém não são agradáveis após períodos de abstinência. Você tem que dar cabeçadas contra uma parede de tijolos (sofrer sintomas de abstinência) para poder sentir prazer ao parar de ficar batendo a cabeça. Portanto, as opções são:

  1. Usar o método da força de vontade e sofrer tortura autoimposta, o que você será incapaz de fazer de qualquer maneira.
  2. Ir cada vez mais se torturando pelo resto da vida, o que é inútil.
  3. Ser legal consigo mesmo e eliminar totalmente a pornografia.

O outro aspecto que a dieta pornográfica demonstra é que não existem visitas por curiosidade ou ocasionais ao harém. A pornografia na Internet é uma reação em cadeia que durará o resto da sua vida, a menos que você faça um esforço positivo para quebrá-la.

Lembre-se: Dieta pornográfica o arrastará para baixo.