Será que vai ser mais difícil pra mim?

Há infinitas combinações de fatores determinando quão facilmente cada indivíduo vai conseguir se desfazer deste vício. Pra começar, cada um tem seu próprio caráter, carreira, circunstâncias pessoais, tempo, metabolismo etc. Algumas profissões podem tornar o processo mais difícil do que outras, mas uma vez que a lavagem cerebral esteja removida isso não precisa ser assim. Veja os seguintes exemplos:

Ocasionalmente, é difícil para membros da profissão médica. Nós pensamos que deve ser mais fácil para médicos pois eles estão mais conscientes dos efeitos, mas apesar de isso lhes dar razões mais para que larguem com maior urgência, esse conhecimento não torna esse objetivo mais fácil de ser cumprido. As razões são as seguintes:

  1. A consciência constante dos riscos de saúde promovem medo, uma das condições que nos leva a querer aliviar as fissuras de abstinência.
  2. A profissão de um médico é muitíssimo estressante e eles costumam ser incapazes de aliviar o estresse adicional provocado pelas fissuras de abstinência.
  3. Eles têm de lidar com o estresse adicional que vem com a culpa, culpa esta que provém de eles sentirem o dever de agir como um exemplo para o resto da população. Isso coloca maior pressão neles e aumenta os sentimentos de privação.

Quando o estresse é momentaneamente aliviado pela pornografia após um longo e difícil dia no trabalho, esse hábito (assistir pornografia) passa a ser incorretamente associado com o alívio que é sentido. Por causa da associação errônea entre ideias, o pornô toma o crédito por toda a situação, e se torna muito precioso, ainda mais depois de ter se abstido dele e ter tido que lidar com as fissuras de abstinência. Esse tipo de situação se aplica a todo tipo de usuário casual que é obrigado por alguma razão a se abster por períodos longos. Através do método da força de vontade, o usuário se sente péssimo, pois está se sentindo privado de algo que gosta e não está sentindo o cansaço e o sono que se apresentam depois de uma sessão. O seu senso de perda é amplificado. Entretanto, se você for capaz de remover a lavagem cerebral e parar com a lamentação que circunda o desejo de assistir pornografia, o descanso e o sono podem ser aproveitados mesmo quando o corpo está ansiando por transmissores de amina – serotonina, norepinefrina e dopamina.

Uma outra situação difícil é o tédio, particularmente quando combinado com períodos de estresse. Exemplos típicos são os estudantes e pais e mães solteiras, em que o trabalho é estressante e ainda por cima monótono. Durante uma tentativa de parar pelo método da força de vontade, o indivíduo tem longos períodos para lamentar sua abstinência e privação, o que por sua vez aumenta os sentimentos de depressão. Mais uma vez, isso pode facilmente ser superado se sua atitude mental estiver correta. Não se preocupe que você continuará sendo lembrado de que você parou de assistir pornô. Use tais momentos para regozijar no fato de que você está cortando laços com esse terrível monstro.

Se você tiver uma atitude mental positiva, essas fissuras e ânsias passam a ser interpretadas como momentos de prazer. Lembre-se: qualquer usuário, independente de idade, sexo, inteligência ou profissão pode achar o processo de parar de assistir pornô fácil e agradável, desde que siga todas as instruções.

Razões primárias para o fracasso

Há duas razões primárias para o fracasso. A primeira é a influência de estímulos externos – um comercial, um artigo de notícias online, a navegação pela internet etc. Um momento de fraqueza pode vir até mesmo após testemunhar a intimidade de outras pessoas em eventos sociais. Esse tópico já foi largamente discutido. Use o momento para lembrar a si mesmo do fato de que não existe coisa tal como “só uma visitinha” ou “uma olhadinha”. Regozije no fato de que você quebrou a corrente de escravidão mental. Lembre-se de que o usuário tem inveja de você e que você deve sentir pena deles, pois eles precisam dela.

A outra razão é ter um dia ruim. Que isso fique claro na sua cabeça antes de você começar: sendo você um usuário ou não, você continuará tendo bons e maus dias. A chuva cai tanto para o Papa quanto para um assassino. A vida é relativa e você não pode ter altos sem ter baixos. O problema com o método da força de vontade é que assim que o usuário tem um dia ruim ele começa a se lamentar, ansiado por uma visita ao “harém” virtual, o que só piora a situação. O não-usuário está melhor equipado para lidar com os estresses e necessidades, não apenas fisicamente mas também mentalmente. Se você tem um dia ruim durante o período de abstinência basta aceitar o sofrimento com vigor. Lembre-se de que dias ruins existiam até mesmo quando você estava imerso no vício. Você não teria decidido parar se só os não-usuários experienciassem dias ruins. Em vez de se lamentar por causa disso, reconheça: “Ok, hoje não está sendo um dia tão bom mas a pornografia não irá resolver nada. Amanhã vai ser melhor e eu ainda vou ter um ótimo bônus: ter vencido aquele terrível vício.

Quando você é um usuário de pornografia, você tem que impedir a si mesmo de notar os aspectos negativos da pornografia. Usuários nunca sentem confusão mental, apenas “se sentem um pouco indispostos”, ou assim eles interpretam. Você por acaso está se sentindo feliz e alegre quando você tem pensamentos desejosos por pornografia? Claro que não. Quando você para a tendência é culpar tudo o que dá errado no fato de que você parou.

Se o trabalho te estressa, você pode pensar, “é em momentos como esse que eu assistiria um pornô.” Isso é verdade, mas a coisa importante que é esquecida aqui é que o pornô não resolvia o problema, e você está simplesmente se culpando ao se lamentar por não poder recorrer às suas muletas ilusórias. Você está criando uma situação impossível: está se sentindo péssimo por não poder assistir pornografia, mas você ficará ainda pior se você decidir assistir. Você sabe que fez a escolha certa ao parar de assistir, então por que você fica punindo a si mesmo, questionando essa decisão?

Lembre-se: uma atitude mental positiva é sempre essencial – sempre.